sábado, 21 de junho de 2008

EU TENHO FOME

Li nas entre linhas à matéria. Eu tenho fome. Não faz tanto tempo, eu e meus irmãos brincávamos nas pilhas de sacas de arroz, feijão, milho, café, amendoim etc. Na tulha especifica para armazenar algodão, quase alcançava o teto. Era muita fartura. A farinha de mandioca e o polvilho, juntamente com os empregados eram feito em regime de mutirão. Os tachos fumegantes de melado para fazer rapadura. A pouca distancia. O gado pastava. O leite era dividido, fazia-se queijo e outros derivados. A criação de galinha caipira e galinha d`angola enchia os cestos de ovos. As verduras eram colhidas na horta no quintal. Os pomares ofereciam frutas fresquinhas. Os empregados, após dez anos de trabalho partiram para os grandes centros urbanos levando suas economias. Atraídos pelas ofertas de emprego nas indústrias. O governo provocou o êxodo rural. Hoje vemos a periferia inchada, os seres humanos amontoados em barracos sem as mínimas condições de higiene. As crianças trocando os lápis pelas metralhadoras. O respeito aos pais pelo temor aos traficantes. A fome assolando os lares, mães desesperadas sem alimento para preparar para seus filhos. A fome no Brasil e no mundo é responsabilidade dos governantes. Esta provada que o povo brasileiro não sabe lutar pelos direitos básicos. Os políticos deveriam usar vossos prestígios e se ajuntarem para fazer um “Levante Rio Preto”? Procurar meios para empregar o maior número de pessoas possíveis. O excedente? Infelizmente lotar ônibus e levar para o gabinete do governador do Estado de São Paulo. Se faltar trabalho? O Governador se encarregue de encaminhá-los ao Gabinete do Presidente Luiz Inácio da Silva. Quem sabe, frente-a-frente com problema os políticos agilizam os projetos na área social. E parem de brincar com o sentimento de pessoas que querem um trabalho digno e não esmolas. Saber o numero de famintos pela estatística não mexe com a sensibilidade e nem com as bases eleitorais. Papel não chora de fome.
Maryah Cydah Abrantes Martiniano Ferreira Autora

0 Comentários:

Postar um comentário

Comente as matérias,textos e fotos sempre fazendo uso de senso critico, embasado no respeito mutuo.

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial